Fonte: CNN
Tradução e adaptação: Equipe Demi Lovato Brasil

Demi Lovato quer usar a sua voz para mais do que apenas cantar.

É por isso que sua nova música, “Commander in Chief”, é dirigida ao presidente Donald Trump, chamando sua resposta à injustiça racial, a crise do Covid-19 e muito mais.

Lovato, de 28 anos, conversou com a CNN em uma entrevista recente sobre a música e sua mensagem.

“Já houve tantas vezes que quis escrever uma carta ao presidente ou me sentar com ele e fazer-lhe essas perguntas”, disse ela à CNN. “E então eu pensei, eu realmente não quero fazer isso e pensei que uma maneira de fazer isso é escrever uma música e lançá-la para todo o mundo ouvir e então ele teria que responder essas perguntas a todos e não somente a mim”.

Na música, que Lovato co-escreveu, ela canta “Você ao menos sabe a verdade? / Estamos em um estado de crise / Pessoas estão morrendo / Enquanto você alinha seus bolsos cheio de dinheiro / Comandante-chefe / Como é a sensação / De ainda ser capaz de respirar?”.

Lovato disse que não está procurando criar divisão com a letra da música, mas espera encorajar seus apoiadores a permanecerem engajados no processo político e votar na eleição do próximo mês.

“Precisamos comparecer e votar porque é muito importante que nossas vozes sejam ouvidas. E, honestamente, para mim, seja você um republicano ou democrata, apenas saia e vá votar”.

O presidente é conhecido por mirar no Twitter contra figuras do entretenimento que o criticam, mas Lovato não está preocupado com a potencial polêmica.

“Pode vir”, disse Lovato. “Prove para eles que você é exatamente quem eu disse que você é na música. Apenas faça, vá em frente”.

Lovato disse que fez uma escolha consciente de usar sua voz nas redes sociais para denunciar a injustiça, parte de uma onda crescente de artistas que se posicionaram politicamente.

“Você é condenado se você se posicionar, você é condenado se você não se posicionar. Você pode listar Taylor Swift como um exemplo perfeito desse ditado… por anos ela foi destruída porque ela não estava se posicionando e não foi não defendeu esses direitos e então ela se torou ativa e se tornou muito política e há pessoas que estão insatisfeitas com isso também. É apenas, tipo, você tem que viver o que parece autêntico para você. Para mim, é usando a minha plataforma para falar sobre as coisas que vejo que estão erradas”.

Lovato também defende o The Mental Health Fund, que apóia organizações dedicadas a oferecer aconselhamento para crises durante a pandemia.

“Sou uma pessoa muito sociável e, por isso, não ser capaz de ver as pessoas, fez com que às vezes eu me sentisse muito isolada e minha ansiedade e depressão voltaram fortemente, e felizmente, eu trabalhei muito e tenho ferramentas para me ajude com isso. Mas há muitas pessoas que não têm essas ferramentas”, disse ela.

Seu conselho para aqueles que estão passando por um momento difícil é tentar ajudar aos outros e não ser muito duro consigo mesmo.

“Apenas tenha compaixão”, disse Lovato. “Saiba que você não está sozinho, que muitas pessoas estão passando exatamente pelo mesmo que você está passando”.