Demi Lovato concedeu uma entrevista inédita para a USA Today onde falou sobre seu novo álbum, período de quarentena, amor próprio, “I Love Me”, revelou se está ou não planejando seu casamento e sua recente parceria com a cantora JoJo no remix da faixa “Lonely Hearts”.

Confira a entrevista completa e traduzida:

Na semana passada, Demi Lovato comemorou seu 28º aniversário. Ela comemorou a ocasião lançando uma campanha do Propeller em homenagem a Breonna Taylor, uma mulher negra desarmada que foi morta a tiros pela polícia em março. A página de Lovato inclui links de doações e petições exigindo justiça para Taylor, que completaria 27 anos em junho.

“Ela nunca terá a oportunidade de experenciar o seu aniversário de 28 anos”, diz Lovato ao USA Today. “Eu sabia como era importante retribuir no meu aniversário, sabia que queria ajudar e realmente me conectei com ela porque, como uma jovem mulher, não consigo imaginar estar na posição dela. Ela estava dormindo na cama dela, e eu vou fazer tudo o que eu puder para lutar por justiça para ela”.

O apoio contínuo de Lovato ao movimento Black Lives Matter é apenas uma parte de sua década de ativismo, falando sobre suas lutas com a saúde mental, sobriedade e transtorno alimentar. Em 2012, ela ganhou o MTV Video Music Awards de Melhor Vídeo com Mensagem por “Skyscraper”, uma balada extremamente vulnerável sobre como superar diversidades.

E este ano na premiação, que vai ao ar no domingo, Lovato está indicada pelo seu hino de amor próprio “I Love Me” na mesma categoria (que teve seu nome alterado para Video Para o Bem no ano passado). A cantora e atriz está competindo o prêmio com outros cinco artistas, incluindo Taylor Swift (“The Man”) e Billie Eilish (“All the Good Girls Go to Hell”).

Lovato conversou com o USA TODAY sobre a produção de “I Love Me”, aceitação do corpo, novas músicas e seu recente noivado com o ator de “The Young and the Restless” Max Ehrich.

USA Today: A última vez que você foi indicada na categoria de “mensagem” em 2012, você ganhou por “Skyscraper”. Olhando para trás, o que essa música significa para você agora?

Demi Lovato: A música é obviamente incrivelmente importante. Marcou um capítulo da minha vida onde eu cresci muito. Eu tive que passar por coisas, mas saí do outro lado mais forte do que nunca. E então eu sempre vou me lembrar disso com essa música. Este ano, há muitos assuntos realmente importantes que são discutidos nesta categoria. Sempre houve um propósito maior para a música e essas músicas ajudam você a superar esses tempos difíceis.

USA Today: O que inspirou “I Love Me”, a música e o vídeo?

Demi Lovato: Eu queria fazer um hino que fosse sobre amor próprio, apagando aquela conversa interna negativa e tentando reformular seu pensamento sobre si mesmo. Hannah Lux Davis, que é a diretora do vídeo, veio até mim com uma ideia incrível e eu realmente a deixei tomar as rédeas do vídeo. Colocamos pequenas dicas escondidas que meus fãs reconheceram. Foi muito legal e muito pessoal para mim.

USA Today: O vídeo apresenta muitas referências sobre o seu passado. Você antecipou o quão emocionante seria ver a sua vida refletida em você?

Demi Lovato: Houve um momento no set em que havia percebido que a pessoa na maca era eu. E eu não estava preparada para o quão emocionante poderia ser. Isso me pegou desprevinida, mas então eu percebi que estou orgulhosa da arte que eu estou criando. É muito importante para mim compartilhar minha história e mantê-la o mais autêntica possível. Então foi um choque, mas também purificante e terapêutico.

USA Today: A mensagem de “I Love Me” é muito importante agora, especialmente porque muitas pessoas passam mais tempo sozinhas do que normalmente, devido a quarentena. Como o seu relacionamento com o amor próprio evoluiu nos últimos cinco meses?

Demi Lovato: Minha relação com o amor próprio cresceu muito, apenas porque eu percebi que todos nós passamos por períodos em que as coisas são difíceis. Ele diminui e aumenta e nem sempre será perfeito. Mas quando trabalhamos em nós mesmos, você pode realmente aprender como fortalecer esse músculo do amor próprio. Quando você faz coisas diariamente como meditar, escrever ou fazer ioga, são pequenas coisas que ajudam a fortalecer os músculos. Então, eu basicamente tenho trabalhado isso nessa quarentena inteira.

USA Today: Eu realmente gostei do que você disse a Ashley Graham em seu podcast sobre aceitação do corpo vs. positividade do corpo. Como você pode praticar o ser grato pela sua saúde e aceitar onde está, mesmo quando nem sempre ama tudo em si mesmo. Por que essa distinção é importante?

Demi Lovato: É uma distinção importante a se fazer porque quando você está falando sobre amor próprio, você tem que ser realista. O equívoco comum é que mesmo quando você começa a trabalhar um pouco em si mesmo, você está consertado e é melhor. Mas isso não é necessariamente verdade. É um trabalho em andamento e você tem que continuar trabalhando nisso. A positividade do corpo meio que coloca um rótulo nisso que faz você pensar que sempre vai ser despreocupado, e não é.

USA Today: Apesar de todos os avanços positivos que foram feitos contra o bullying, você ainda vê artistas como Adele, Beyoncé e Lana Del Rey virando manchetes por conta de seu peso. Como a mídia pode melhorar?

Demi Lovato: O que seria incrível é se as pessoas parassem de escrever sobre o peso das pessoas. Não é importante. Se você é jornalista e sente a tentação de escrever sobre a perda de peso de Adele, pergunte-se: “Isso tem um significado por trás que vai impactar positivamente as pessoas?”. Muitas pessoas ganharam peso durante a quarentena e, às vezes, pode haver uma resposta desencadeadora quando há uma manchete sobre alguém perdendo peso. Só não acho necessário ter manchetes sobre o peso das mulheres. Por que não podemos ter manchetes sobre suas realizações?

USA Today: Eu seria negligente em não perguntar: qual é o status do DL7? Você tem trabalhado no álbum em bloqueio?

Demi Lovato: Estou trabalhando nisso. Ainda estou indo para o estúdio para escrever sobre isso hoje. Tomou uma direção diferente. Obviamente minha vida mudou muito. Era uma história sobre tudo o que aconteceu, e agora está evoluindo para o ponto em que minha vida está hoje. É lindo ter sua história para contar e estou animado para incorporar isso em meu próximo projeto. Não tenho um cronograma, mas estou trabalhando nisso.

USA Today: Parabéns pelo seu noivado. Como vocês dois têm passado o tempo juntos em quarentena?

Demi Lovato: Esta manhã, saímos para fora pra meditar, sentamos nesta pedra e meditamos. Acabamos de começar nosso dia da maneira mais fundamentada e bonita possível, e é assim que tentamos viver nossos dias juntos. É só, como podemos maximizar a quantidade de energia positiva em nossas vidas quando estamos juntos?

USA Today: Você já começou algum planejamento de casamento?

Demi Lovato: Sim e não. Quer dizer, não há muito o que fazer em uma pandemia, então é como esperar até que acabe. Mas sim, obviamente discussões foram feitas, mas não há muito que possamos fazer agora.

USA Today: Você colaborou com Jojo no remix de sua canção “Lonely Hearts”, que saiu nessa sexta-feira. Como isso aconteceu?

Demi Lovato: Ela é uma amiga minha e ela me enviou a música por mensagem. Há muito tempo que queremos colaborar. Na verdade, eu abri para ela em um festival no Texas quando eu tinha 12 anos, e foi quando a conheci. Então, literalmente, anos e anos depois, aqui estamos nós e estamos lançando uma música juntos. É muito emocionante e eu amo a música.

USA Today: Como duas jovens artistas e mulheres que cresceram na indústria, vocês acham que podem se conectar nesse nível?

Demi Lovato: Honestamente, não foi tão profundo, mas sim, com certeza, quando você olha para isso de uma perspectiva mais ampla, nós realmente chegamos porque estamos na indústria desde muito jovens. É muito bom saber que tenho amigos na indústria com quem me identifico. Então, se eu passar por alguma coisa e precisar de alguém para conversar, sei que ela estará lá para mim e eu estaria lá para ela.