Demi Lovato discutirá os eventos que levaram à sua overdose quase fatal em 2018, suas consequências e muito mais em sua nova docu-series no Youtube, intitulada “Dancing with the Devil”. Os dois primeiros episódios estrearão gratuitamente no dia 23 de março, enquanto os episódios restantes serão lançados semanalmente em cada uma das duas terças-feiras seguintes.

Dirigido por Michael D. Ratner, Dancing with the Devil retratará os três últimos anos da vida e carreira de Lovato. A produção do documentário começou em 2018, durante a turnê mundial “Tell Me You Love Me Tour”, e o comunicado a imprensa promete “um olhar honesto para alguns dos momentos mais difíceis da vida de Lovato, enquanto ela desenterra seus traumas anteriores e descobre a importância de sua saude física, emocional e mental”.

“Já se passaram dois anos desde que fiquei cara a cara com o ponto mais sombrio da minha vida e agora estou pronto para compartilhar minha história com o mundo”, disse Lovato em um comunicado. “Pela primeira vez, você poderá ver minha crônica de luta e cura contínua do meu ponto de vista. Sou grato por ter feito essa jornada para enfrentar meu passado de frente e, finalmente, compartilhá-lo com o mundo”.

Ratner acrescentou: “A vontade de Demi de explorar os elementos mais sombrios de sua vida vai deixar o público com uma compreensão completa de tudo o que ela passou e, finalmente, para onde está indo. Demi representa empoderamento, e este documentário vai responder a muitas perguntas que surgiram – fornecendo uma janela real para a vida de uma das maiores estrelas do mundo, que é simplesmente um ser humano”.

Dancing With the Devil marca o segundo documentário de Lovato com o YouTube, após Simply Complicated de 2017. O último álbum de Lovato, Tell Me You Love Me, chegou também em 2017, enquanto em 2020 ela lançou sua primeira música solo desde “Sober” de 2018, no qual ela lutou contra uma recaída após vários anos de sobriedade (Lovato foi hospitalizada após uma overdose de mês após o lançamento da música). Lovato voltou em janeiro de 2020 com “Anyone” e lançou um punhado de outras canções ao longo do ano, incluindo “I Love Me”, “OK Not to Be OK” e a canção de protesto de Trump, “Commander In Chief”.

Finalmente boas novas!

Depois de meses de espera, após a notícia divulgada em junho do ano passado informando que o Youtube havia encomendado um novo documentário sobre Demi Lovato, a cantora finalmente oficializou o lançamento, divulgou o nome e a data de lançamento.

O documentário, que terá formato de série e será dividido em quatro episódios – dois episódios no lançamento e um em cada uma das duas próximas terças-feiras – será lançado no dia 23 de março gratuitamente no Youtube e receberá o nome de “Demi Lovato: Dancing with the Devil” (Demi Lovato: Dançando com o Diabo, em tradução).

Muito se espera sobre o documentário, onde a cantora já revelou que falará abertamente sobre a overdose quase fatal que sofreu em 2018, além dos rumores que provavelmente fará parte da divulgação de seu novo álbum de estúdio, aguardado desde 2017, quando a cantora lançou seu – até então – último álbum de estúdio “Tell Me You Love Me” e o documentário “Simply Complicated”.

Joe Biden assumirá oficialmente a presidência dos Estados Unidos no dia 20 de janeiro e um mega evento está sendo organizado para a posse.

O evento, chamado “Celebrating America” (“Celebrando a América”), acontecerá no horário nobre norte-americano, terá 90 minutos de duração (exibido de 22h30 à 00h, no horário de Brasília), será apresentado por Tom Hanks e terá performances de Demi Lovato, Justin Timbarlake, Jon Bon Jovi e Ant Clemons.

Além disso, o especial será transmitido ao vivo nas emissoras ABC, CBS, CNN, NBC, MSNBC – algumas das maiores do país – e também nas plataformas YouTube, Facebook , Twitter, Twitch, Amazon Prime Video, Microsoft Bing, NewsNOW da Fox e AT&T DirectTV e U-verse.

Por meio de diferentes segmentos e apresentações, o programa destacará a força da democracia dos Estados Unidos, a perseverança dos cidadãos do país, a capacidade de se reunir em tempos difíceis e emergir mais fortes do que nunca. O programa vai homenagear os heróis americanos que estão ajudando seus conterrâneos durante esta crise, incluindo trabalhadores da linha de frente, profissionais de saúde, professores, cidadãos filantrópos e aqueles que estão quebrando barreiras.

O presidente eleito Biden e a vice-presidente eleita Kamala Harris também farão comentários durante o especial, abordando a diversidade e o talento da América. As apresentações musicais ocorrerão ao longo da transmissão.

“Esta inauguração apresenta uma oportunidade única de destacar a resiliência e o espírito de uma América unida”, disse Tony Allen, CEO do Comitê de Inauguração Presidencial. “Testemunhamos inúmeros heróis no ano passado subirem à linha de frente e servirem seus compatriotas americanos, então estamos contando suas histórias, espalhando sua luz coletiva e celebrando o melhor de nosso país e seu povo com este especial em horário nobre. Nossa primeira prioridade é a segurança – então, embora muitos de nós estejamos assistindo com segurança de nossas casas, estamos criando momentos reais de conexão que destacam uma nova era americana inclusiva de liderança que trabalha e representa todos os americanos”.

Fonte: PageSix
Tradução e adaptação: Equipe DLBR

Demi Lovato está se reinventando este ano.

A popstar, de 28 anos, revelou um novo visual ousado na semana passada, quando ela raspou boa parte de sua cabeça e estreou um corte de cabelo pixie loiro.

“Eu fiz uma coisa…”, ela escreveu na legendas das fotos chocantes. O dramático “fiz” foi executado pela cabeleireira de longa data de Lovato, Amber Maynard Bolt, que disse ao PageSix que o novo corte de cabelo é indicativo de uma nova Demi.

“Há algo em mudar seu cabelo tão drasticamente que permite que você se sinta dona de si mesma de uma forma que nunca imaginou!”, ela nos disse exclusivamente. “Eu faço as pinturas de cabelo da Demi há quase 10 anos, então eu não estranho ao mudar com ela! Essa é a maior mudança, até então. Ela é uma daquelas raras pessoas que conseguem usar qualquer visual”.

Bolt disse nos disse que Lovato “foi a própria inspiração dela”. “Este visual foi um reflexo direto de quem ela é e como ela se sente”, ela explicou.

A cabeleireira teve que tomar cuidado com a lateral enquanto clareava os cabelos escuros de Lovato, trabalhando em um processo de dois dias usando o alvejante BB 7 da Alfaparf e o shampoo Pureology Strength Cure Blonde (US$ 31) para cortar as camadas de cor que Demi passou.

Ela então usou dois toners da linha Alfaparf Colorwear para ajudar a misturar sua raiz escura natural nas novas pontas mais cinzentas e terminou com uma combinação de Color Fanatic Color Sealer da Pureology (apenas profissional) e a Color Fanatic Multi-Tasking Deep Conditioning Mask.

Lovato experimentou muitos comprimentos e estilos de cabelo, incluindo azul, loiro, rosa, verde, preto, roxo e muito mais. Recentemente, ela mudou de morena para loira enquanto apresentava o E! People’s Choice Awards e brincou sobre como ela lidou com a pandemia de coronavírus, zombando de seu noivado e rompimento com Max Ehrich.

Claramente, Lovato é um camaleão da beleza que pode usar qualquer penteado – não importa a cor ou comprimento.

Na última semana fomos pegos de surpresa ao descobrir que Demi Lovato estaria no álbum “Recession 2” do rapper Jeezy, lançado na última sexta-feira, em uma canção chamada “My Reputation” que também conta com a participação do comediante e artista Lil Duval.

Em entrevista a Rolling Stone, o rapper falou sobre como surgiu a colaboração dos dois, que foi uma surpresa para muitos, e deu a entender que pode estar no próximo álbum de Lovato, ainda sem data de lançamento.

Rolling Stone: Ver a Demi Lovato como uma colaboradora no álbum do Jeezy me surpreendeu. Me conte sobre tê-la nisso.

Jeezy: Ela é uma das verdadeiras. O que? Eu arraso com a Demi, ela é verdadeira. Ela entrou em contato comigo para fazer uma gravação pra ela, o que é doido, e eu simplesmente amei a aproximação. E quando eu surgi com essa gravação, eu fiquei tipo, “ei, você ficaria demais nessa”. Ela arrasou naquilo e me mandou de volta, foi demais. É diferente pra fanbase dela, pra minha, é uma maneira de todos nós nos conhecermos.

Aconteceu na noite deste domingo, ao vivo diretamente do Barker Hangar, em Santa Monica, a 46ª edição do People’s Choice Awards, prêmio votado por fãs que arrecadou mais de 1 bilhão de votos e visa premiar os destaques do ano nos ramos da música, TV, cinema e internet.

O evento, apresentado por Demi Lovato – loiríssima – contou também com performances de Justin Bieber e o duo Chloe x Halle. Em seu monólogo de abertura do prêmio, Demi falou sobre o período da quarentena e ironizou o dramático noivado relâmpago com Max Ehrich: “Estou tão animada de estar aqui hoje à noite, porque, honestamente, este ano foram os três anos mais longos da minha vida. Não me entendam mal, começou incrível, eu me apresentei no Grammy e cantei o hino nacional no Super Bowl, mas então o Covid chegou e tudo foi fechado. Então, eu fiz o que todo mundo fez, eu entrei em quarentena e fiquei noiva, eu comecei a pintar, fotografar, meditar, eu assisti 7 temporadas de Pretty Little Liars, eu terminei meu noivado e fui procurar alienígenas no deserto. Basicamente o mesmo que todo mundo”.

Além das performances e apresentação de Demi, o evento contou com a presença de diversos famosos que receberam os prêmios ao vivo, um discurso poderoso de Jennifer Lopez ao receber o prêmio de “Ícone do Ano”, participação de uma platéia virtual e muito mais.

Assista abaixo a premiação completa (em inglês):

Opção 01:

Opção 02:

Confira também fotos em alta qualidade do evento em nossa galeria de fotos (basta clicar nas miniaturas abaixo):

Red carpet: 

001.jpg 002.jpg 003.jpg 004.jpg

Portraits:

003.jpg 002.jpg 005.jpg 004.jpg

Backstage:

001.jpg 002.jpg 003.jpg 004.jpg

Show: 

003.jpg 017.jpg 024.jpg 027.jpg

Fonte: E!Online

O PCAs encontrou a sua apresentadora de 2020.

Demi Lovato apresentará o People’s Choice Awards 2020 ao vivo do Barker Hangar no domingo, 15 de novembro às 22h (horário de Brasília), anunciou o E! nesta terça-feira durante uma conversa entre a cantora indicada ao Grammy e a emissora de TV à cabo no Twitter.

A cantora e compositora de “I Love Me” acumulou uma lista impressionante de People’s Choice Awards na última década, recebendo 5 vitórias de 12 indicações nas categorias principais, como Melhor Artista Pop e Melhores Fãs.

“Demi Lovato é um ícone internacional e mal podemos esperar para que ela apresente o E! People’s Choice Awards 2020”, Jen Neal, gerente geral do E!News, eventos ao vivo e estilo de vida digital, disse em um comunicado hoje. “Sua presença autêntica e talentos dinâmicos farão com que seja uma noite inesquecível”.

Demi se junta a uma lista já impressionante de talentos programados para aparecer nos PCAs de 2020. Jennifer Lopez irá receber o Icon of 2020 Award, enquanto Tyler Perry e Tracee Ellis Ross serão homenageados com o People’s Champion Award e o Fashion Icon Award, respectivamente.

Lovato já teve um ano e tanto. Ela deu início a 2020 com a estréia de sua poderosa balada “Anyone” durante o Grammy Awards e, em seguida, cantou o Hino Nacional no Super Bowl LIV em Miami. Em março, Lovato lançou seu single auto-reflexivo “I Love Me” seguido por uma colaboração com Sam Smith para “I’m Ready”.

A superestrela internacional continuou a usar sua voz para defender causas que estão próximas a ela, mais recentemente fazendo parceria com Marshmello para o lançamento da faixa edificante “Ok Not To Be Ok” programada para o Dia Global de Prevenção de Suicídio. Recentemente, ela subiu ao palco no Billboard Music Awards para estrear sua balada política assumidamente honesta, “Commander In Chief”.

Além de ter ganhado cinco People’s Choice Awards, a artista multi-platina também recebeu um MTV Video Music Award, um ALMA Award, um Latin American Music Award, um GLAAD Vanguard Award por seu ativismo LGBTQ e, mais recentemente, uma indicação ao VMA para “I Love Me” na categoria “Video for Good”.

Ela recebeu duas indicações ao Grammy, quatro indicações ao Billboard Music Award e três ao Brit Award.

A última participação da cantora na premiação ocorreu em 2012, quando ela compareceu a premiação para uma performance de “Give Your Heart a Break” e também recebeu o prêmio de Melhor Artista Pop. Relembre:

Fonte: Rolling Stone

Demi Lovato fez uma parceria com o The Lincoln Project em uma campanha publicitária política com a sua música “Commander In Chief” antes da eleição presidencial de 2020.

A campanha se baseia em um videoclipe para a música que foi criado pelo The Lincoln Project e foi lançado no início deste mês, juntamente com o vídeo oficial de “Commander in Chief”, de Lovato. O vídeo da campanha destaca algumas das questões mais urgentes que afetarão esta eleição, incluindo o Covid-19, imigrantes, injustiça racial e mudança climática.

“Somos gratos a Demi Lovato e toda a sua equipe por darem ao The Lincoln Project a oportunidade de fazer algo tão dinâmico e criativamente fora-da-caixa”, disse o co-fundador do Lincoln Project, Rick Wilson. “Esta música ressoa tão fortemente com um público tão diverso que não poderíamos ter imaginado um argumento de encerramento melhor para fazer nestes dias finais desta campanha do que o que este vídeo faz”.

“Este vídeo me deixou absolutamente sem palavras”, disse Lovato. “Isso mostra perfeitamente onde nosso país está agora. Nós merecemos algo melhor como nação. Estou muito inspirado por todos que estão fazendo barulho em suas comunidades, enviando suas cédulas de votos antecipadamente e levando esta pandemia a sério. Se todos nós fizermos nossa parte, podemos fazer uma mudança. Eu acredito em nós. Obrigado Lincoln Project por fazer este vídeo e dar um novo tipo de vida e impacto a esta música”.

“Este vídeo me deixou absolutamente sem palavras”, disse Lovato. “Isso mostra perfeitamente onde nosso país está agora. Nós merecemos algo melhor como nação. Estou muito inspirado por todos que estão fazendo barulho em suas comunidades, enviando suas cédulas de votos antecipadamente e levando esta pandemia a sério. Se todos nós fizermos nossa parte, podemos fazer uma mudança. Eu acredito em nós. Obrigado Lincoln Project por fazer este vídeo e dar um novo tipo de vida e impacto a esta música”.

Demi Lovato e Marshmello participaram na noite dessa sexta-feira, 16, do Save Our Stages Festival, evento que reuniu diversos artistas da indústria com o intuito de arrecadar dinheiro para as casas de shows independentes dos Estados Unidos que, devido a pandemia do covid-19, estão correndo o risco de fecharem as portas nos próximos três meses caso não consigam dinheiro para pagar suas dívidas.

Antes da primeira performance do single “Ok Not To Be Ok”, Demi e Marshmello comentaram sobre o tema e a cantora revelou que boa parte de sua influência artística veio dos palcos independentes: “Eu sei pessoalmente pois eu encontrei a música nos palcos independentes, em particular no The Door, em Dallas. Eu vi o Paramore lá, tipo eu me lembro de ser tão influenciador para o meu crescimento artístico poder assistir shows ao vivo em lugares como esse”.

Assista o vídeo abaixo (mini-entrevista no início e performance a partir de 2:07)

Fonte: Billboard

Justin Bieber, Demi Lovato e muitos outros se juntarão a uma coalizão de organizações não partidárias, influenciadores, líderes de gerações e ativistas para o comício virtual “Vote With Us (Vote Conosco)“.

O evento de três horas e a mobilização local de 11 dias visa criar a maior participação eleitoral possível entre jovens e comunidades de cor nas semanas que antecederam as eleições gerais de 3 de novembro.

O comício virtual será focado nos quatro pilares essenciais da votação (por que, como, quando e onde votar) e também discutirá como votar pessoalmente com segurança, se quiserem ir. Os eventos de votação antecipada em Atlanta, Detroit, Houston, Los Angeles, Miami, Milwaukee, Filadélfia e Phoenix também serão destacados, enquanto organizações e influenciadores usarão as mídias sociais para encorajar seus fãs a participarem.

Durante o comício, Andra Day irá cantar “Remember I Bleed” e The War and Treaty irá cantar “Power to the People”, do John Lennon.

Bieber, Lovato, Vic Mensa, Sherry Cola, Candice Dupree, Renee Montgomery, Common, Mark Ruffalo e o elenco do premiado documentário Us Kids – Emma González, David Hogg, Jaclyn Corin, Samantha Fuentes, Bria Smith e Alex King – também farão aparições.

“Votar é controlar o seu poder e temos que usar o poder que nos foi dado”, disse o ativista González em um comunicado à imprensa. “Não vote apenas por você, vote por cada pessoa; por cada pessoa cujos direitos básicos estão em risco, por cada pessoa que não pode votar por serem considerados cidadãos americanos ou estão encarcerados, por cada pessoa que é afetada pelo sistema e por cada pessoa que lutou com tudo que tinha apenas para nos dar o direito votar. Vote porque você pode. Votar porque nem sempre conseguimos”.

“Vote With Us” será transmitido no Vote Early Day, no dia 24 de outubro, às 16h (horário de Brasília) em www.votewith.us e transmissão simultânea no YouTube e nos canais de mídia social de parceiros de coalizão. Os parceiros da coalizão incluem a campanha #ALLINFORVOTING, Black Voters Matter, Future Coalition, The Early Vote, Headcount, March On, Us Kids Film, Vote Early Day, We Stand United e muito mais.

O renomado jornal britânico The Guardian publicou uma matéria aclamando o lançamento de “Commander In Chief”, nova música de Demi Lovato lançada como uma carta aberta ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e suas atitudes, além de incentivar os cidadãos a votarem nas eleições de Novembro.

Confira abaixo a crítica traduzida:

Como você resolve um problema como Donald? Como Nixon, Reagan e Thatcher antes dele, o presidente Trump foi um grande catalisador de protestos nas artes, mas sua vilania é tão absurda e extravagante que é difícil atacá-lo sem declarar o óbvio. Atacá-lo de frente é como olhar para o sol. Não é surpresa que sua satírica mais eficaz seja a comediante Sarah Cooper, que dubla suas próprias palavras em vez de escrever as dela.

Na música, cantar sobre os Estados Unidos nos últimos quatro anos é aludir ao elefante na Casa Branca. A influência de Trump é muitas vezes oblíqua: sua presença penetra nos registros como gás venenoso. Em canções como “This Is America” de Childish Gambino, “XXX” de Kendrick Lamar, “Love It If We Made It” do 1975 ou “Hurray for the Pa’lante” de Riff Raff, ele é mencionado brevemente ou não é mencionado. Então, quem teria previsto que uma das canções mais condenatórias sobre Trump – “Commander In Chief” de Demi Lovato – chegaria tão tarde e seria tão direta?

Não é que seja incomum para um artista pop mainstream se manifestar, correndo o risco de perder fãs. Pessoas como Beyoncé, Taylor Swift e Katy Perry foram levadas a assumir posições políticas e até mesmo canalizá-las em músicas, como “Miss Americana & The Heartbreak Prince” de Swift ou “Looking for America” de Lana Del Rey. Lovato, que se descreve como “uma mulher hispânica queer”, falou anteriormente sobre questões como saúde mental e imagem corporal: seu sucesso mais recente foi intitulado “Ok Not To Be Ok”. Ainda assim, há algo maravilhosamente inesperado e ousado sobre a clareza moral de sua última canção, que ela estreou no prêmio de música da Billboard na noite passada. Não ouvi mais nada desde então.

Produzida por Eren Cannata e irmão de Billie Eilish, Finneas, a música soa como uma balada de partir o coração. Em certo sentido, é isso que é, pois expressa a dor emocional da administração Trump, e de 2020 em particular. Embora não seja sem floreios líricos (“Combatendo incêndios com panfletos e rezando para chover”), [a música] é amplamente clara e direta, transmitindo tristeza, resiliência e repulsa. Lovato disse que sempre pensou em escrever uma carta para Trump, ou sentar-se com ele para perguntar por que ele se comporta dessa maneira, mas que uma música abre essas questões para todos: “Eu não sou a única / Que tem sido afetada e ressentida com cada história que você contou / E eu ainda tenho sorte / Porque há pessoas em situações piores que já sofreram o suficiente”. No vídeoclipe impressionante, diversos americanos dublam a música antes de Lovato assumir o último minuto.

“Commander in Chief” começa com uma linha saudável e compreensível sobre os valores que supostamente nos ensinam (a menos que nosso pai seja Fred Trump) quando somos jovens. Não é realmente partidário. Lovato, a cantora que protesta, é uma mulher comum exasperada, interrogando as falhas de Trump como ser humano tanto como político: sua corrupção, sua vaidade, seu descuido, seu sadismo. O verso “Você começa a sentir dor?” me lembra o ensaio clássico de Adam Serwer sobre o Atlântico de 2018, The Cruelty Is the Point. Ela chega à incompreensibilidade fundamental da insensibilidade de Trump: “Honestamente, se eu fizesse as coisas que você faz, não conseguiria dormir, honestamente”. A ponte gospel cresce e se eleva acima do tóxico espaço da cabeça do presidente e se transforma em protestos do Black Lives Matter: “Estaremos nas ruas enquanto você está se escondendo”. O verso final do refrão (“Qual é a sensação de ainda ser capaz de respirar?”) faz referência tanto ao Covid-19, que matou mais de 215 mil americanos sob o comando de Trump, quanto ao slogan do BLM “I can’t breathe” (eu não consigo respirar).

Essa expressão pode ser um retorno deliberado para “Dear Mr. President”, a carta aberta de uma música de Pink para George W Bush em 2006, que perguntava “o que você sente?” e “como você dorme?”, mas também me lembra, estranhamente, do ataque do Crass de 1982 contra Margaret Thatcher, “How Does It Feel (to Be the Mother of a Thousand Dead)”? Ambas as perguntas são condenações morais, mas a música de Crass é toda venenosa de punk rock, enquanto a de Lovato é mais calma. Se você colocasse essas letras em uma canção de rock, hip-hop ou folk, o efeito talvez fosse muito familiar, porque é assim que geralmente soa a música de protesto. Veja, por exemplo, a canção sobre a eleição recente do Public Enemy, State of the Union (STFU). Embora seja uma chamada emocionante para “sacudir a votação ou votar no inferno”, já ouvimos Public Enemy enfrentar presidentes muitas vezes antes. O que normalmente não ouvimos são sentimentos semelhantes transmitidos na forma de uma balada pop dolorosa e melismática pela ex-estrela adolescente de “Camp Rock 2: The Final Jam”. Não para fazer uma comparação hiperbólica, mas a potência de “What’s Going On” de Marvin Gaye veio de um artista anteriormente apolítico decidindo que simplesmente não conseguia mais ficar quieto. “Commander In Chief” também é o som da paciência de alguém se esgotando. Respondendo à repreensão de um fã republicano no Instagram na quarta-feira, ela escreveu: “Eu literalmente não me importo se isso vai arruinar minha carreira. Não se trata disso… fiz uma obra de arte que representa algo em que acredito”.

Lovato cronometrou o lançamento da música para encorajar os americanos mais jovens a votarem enquanto uma campanha eleitoral feia se aproxima do fim. A arte do single a retrata em uma máscara com “VOTE” escrito nela. “Commander In Chief” capta habilmente a emoção que provavelmente levará mais eleitores às urnas do que qualquer política: uma exaustão doentia com Trump e o que ele fez ao seu país, e como ele enganou as pessoas por tanto tempo. Você não precisa amar Joe Biden para querer se livrar disso – para abrir as janelas e finalmente deixar sair o gás venenoso. Lovato e seus colaboradores criaram uma canção de protesto extraordinária que é perfeita para o momento, mas espero que soe ainda melhor depois de 3 de novembro.

Demi Lovato apresentou na noite desta quarta-feira, durante o Billboard Music Awards, a sua nova canção, “Commander In Chief”, música que ela lançou como uma carta aberta ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre questões que envolvem desde a injustiça racial até a postura dele perante as mais de 200,000 mortes devido a pandemia do Covid-19.

Assista abaixo a performance:

Assista ao videoclipe:

Fonte: CNN
Tradução e adaptação: Equipe Demi Lovato Brasil

Demi Lovato quer usar a sua voz para mais do que apenas cantar.

É por isso que sua nova música, “Commander in Chief”, é dirigida ao presidente Donald Trump, chamando sua resposta à injustiça racial, a crise do Covid-19 e muito mais.

Lovato, de 28 anos, conversou com a CNN em uma entrevista recente sobre a música e sua mensagem.

“Já houve tantas vezes que quis escrever uma carta ao presidente ou me sentar com ele e fazer-lhe essas perguntas”, disse ela à CNN. “E então eu pensei, eu realmente não quero fazer isso e pensei que uma maneira de fazer isso é escrever uma música e lançá-la para todo o mundo ouvir e então ele teria que responder essas perguntas a todos e não somente a mim”.

Na música, que Lovato co-escreveu, ela canta “Você ao menos sabe a verdade? / Estamos em um estado de crise / Pessoas estão morrendo / Enquanto você alinha seus bolsos cheio de dinheiro / Comandante-chefe / Como é a sensação / De ainda ser capaz de respirar?”.

Lovato disse que não está procurando criar divisão com a letra da música, mas espera encorajar seus apoiadores a permanecerem engajados no processo político e votar na eleição do próximo mês.

“Precisamos comparecer e votar porque é muito importante que nossas vozes sejam ouvidas. E, honestamente, para mim, seja você um republicano ou democrata, apenas saia e vá votar”.

O presidente é conhecido por mirar no Twitter contra figuras do entretenimento que o criticam, mas Lovato não está preocupado com a potencial polêmica.

“Pode vir”, disse Lovato. “Prove para eles que você é exatamente quem eu disse que você é na música. Apenas faça, vá em frente”.

Lovato disse que fez uma escolha consciente de usar sua voz nas redes sociais para denunciar a injustiça, parte de uma onda crescente de artistas que se posicionaram politicamente.

“Você é condenado se você se posicionar, você é condenado se você não se posicionar. Você pode listar Taylor Swift como um exemplo perfeito desse ditado… por anos ela foi destruída porque ela não estava se posicionando e não foi não defendeu esses direitos e então ela se torou ativa e se tornou muito política e há pessoas que estão insatisfeitas com isso também. É apenas, tipo, você tem que viver o que parece autêntico para você. Para mim, é usando a minha plataforma para falar sobre as coisas que vejo que estão erradas”.

Lovato também defende o The Mental Health Fund, que apóia organizações dedicadas a oferecer aconselhamento para crises durante a pandemia.

“Sou uma pessoa muito sociável e, por isso, não ser capaz de ver as pessoas, fez com que às vezes eu me sentisse muito isolada e minha ansiedade e depressão voltaram fortemente, e felizmente, eu trabalhei muito e tenho ferramentas para me ajude com isso. Mas há muitas pessoas que não têm essas ferramentas”, disse ela.

Seu conselho para aqueles que estão passando por um momento difícil é tentar ajudar aos outros e não ser muito duro consigo mesmo.

“Apenas tenha compaixão”, disse Lovato. “Saiba que você não está sozinho, que muitas pessoas estão passando exatamente pelo mesmo que você está passando”.

Demi Lovato lançou na madrugada desta quarta-feira, 14, uma música inédita chamada “Commander In Chief” onde ela abertamente faz críticas ao presidente dos Estados Unidos Donald Trump em questões que vão dos problemas racistais até a postura dele perante a pandemia do Covid-19 que já matou mais de 200,000 pessoas no país.

Ouça a canção:

Confira a letra e a tradução:

Letra

Were you ever taught when you were young
If you mess with things selfishly, they’re bound to come undone?
I’m not the only one
That’s been affected and resented every story you’ve spun

And I’m a lucky one
‘Cause they are people worse off that have suffered enough
Haven’t they suffered enough?
But you can’t get enough of

Shutting down systems for pеrsonal gain
Fighting fires with liars and praying for rain
Do you get off on pain?
We’rе not pawns in your game

Commander in chief, honestly
If I do the things you do
I couldn’t sleep, seriously
Do you even know the truth?

We’re in a state of crisis, people are dying
While you line your pockets deep
Commander in chief, how does it feel to still be able to breathe?
Able to breathe

We were taught when we were young
If we fight for what’s right, there won’t be justice for just some
Won’t give up, stand our ground
We’ll be in the streets while you’re bunkering down
Loud and proud, best believe
We’ll still take a knee while you’re

Commander in chief, honestly
If I do the things you do
I couldn’t sleep, seriously
Do you even know the truth?

We’re in a state of crisis, people are dying
While you line your pockets deep
Commander in chief, how does it feel to still be able to breathe?
Be able to breathe

Won’t give up, stand our ground
We’ll be in the streets while you’re bunkering down
Won’t give up, stand our ground
We’ll be in the streets while you’re

Commander in chief, honestly
If I do the things you do
I couldn’t sleep, seriously
Do you even know the truth?

We’re in a state of crisis, people are dying
While you line your pockets deep
Commander in chief, how does it feel to still be able to breathe?
Able to breathe

Tradução

Você já foi ensinado quando era jovem
Se você estragar as coisas de forma egoísta, elas irão se desfazer?
Eu não sou a única
Que tem sido afetada e ressentida com cada história que você contou

E eu ainda tenho sorte
Porque há pessoas em situações piores que já sofreram o suficiente
Eles já não sofreram o suficiente?
Mas você não se cansa de

Acabar com sistemas para ganho pessoal
Combatendo incêndios com mentiras e rezando para chover
Você sente dor?
Nós não somos peões de seu jogo

Comandante-chefe, honestamente
Se eu fizer as coisas que você faz
Eu não conseguiria dormir, de verdade
Você ao menos sabe a verdade?

Estamos em crise, as pessoas estão morrendo
Enquanto você alinha seus bolsos cheio de dinheiro
Comandante-chefe, como é a sensação de ainda ser capaz de respirar?
Capaz de respirar

Fomos ensinados quando éramos jovens
Se lutarmos pelo que é certo, não haverá justiça para apenas alguns
Não vamos desistir desistir, manteremos nossa posição
Estaremos nas ruas enquanto você está se escondendo
Com orgulho, é melhor acreditar
Ainda vamos nos ajoelhar enquanto você ainda é

Comandante-chefe, honestamente
Se eu fizer as coisas que você faz
Eu não conseguiria dormir, de verdade
Você ao menos sabe a verdade?

Estamos em crise, as pessoas estão morrendo
Enquanto você alinha seus bolsos cheio de dinheiro
Comandante-chefe, como é a sensação de ainda ser capaz de respirar?
Capaz de respirar

Não vamos desistir desistir, manteremos nossa posição
Estaremos nas ruas enquanto você está se escondendo
Com orgulho, é melhor acreditar
Ainda vamos nos ajoelhar enquanto você ainda é

Comandante-chefe, honestamente
Se eu fizer as coisas que você faz
Eu não conseguiria dormir, de verdade
Você ao menos sabe a verdade?

Estamos em crise, as pessoas estão morrendo
Enquanto você alinha seus bolsos cheio de dinheiro
Comandante-chefe, como é a sensação de ainda ser capaz de respirar?
Capaz de respirar

Fonte: People
Tradução e adaptação: Demi Lovato Brasil

Uma série de celebridades e políticos se juntarão a um evento virtual na segunda-feira para celebrar a vida e o legado da falecida juíza da Suprema Corte Ruth Bader Ginsburg e pedir que seu último desejo – que seu cargo vago seja preenchido por um novo presidente – seja honrado.

A programação da noite de discursos e apresentações incluirá Miley Cyrus, Demi Lovato, Kristen Bell, Beanie Feldstein e Elizabeth Banks ao lado de figuras políticas como a ex-secretária de Estado Hillary Clinton, Presidente da Câmara Nancy Pelosi, Sens. Elizabeth WarrenKristen Gillibrand, Gloria Steinem e outras.

O evento é aberto ao público, mas requer que a presença seja confirmada antecipadamente.

O programa coincidirá com o primeiro dia das audiências de confirmação do Senado para a escolha do presidente Donald Trump para substituir Ginsburg.

A NPR relatou que Ginsburg, que morreu em setembro de complicações de câncer metastático aos 87 anos, disse a sua neta Clara Spera, dias antes de sua morte, que ela não queria que sua vaga fosse preenchida até que um novo presidente assumisse o cargo.

“Meu maior desejo é não ser substituída até que um novo presidente seja eleito”, disse Ginsburg a Spera, de acordo com a NPR.

Ginsburg foi indicada para o tribunal pelo presidente Bill Clinton em 1993 e foi em seus últimos anos a principal voz liberal do tribunal. Após sua morte no mês passado, os líderes republicanos rapidamente agiram para substituí-la por um juiz líder conservador.

Poucas horas depois de sua morte ser anunciada, o líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, prometeu que o Senado votaria em um substituto enquanto Trump ainda estiver no cargo. O anúncio da nomeação de Trump para substituir Ginsburg – Amy Coney Barrett, juíza federal – gerou polêmica.

Muitos condenaram o que chamaram de hipocrisia, dado como o Senado Republicano bloqueou o último candidato do ex-presidente Barack Obama à Suprema Corte em 2016, dizendo que era muito cedo antes da eleição daquele ano. (Os republicanos dizem que sua posição é, na verdade, que essa regra se aplica apenas quando o Senado está nas mãos de um partido oposto do presidente).

Mais recentemente, Barrett recebeu fé pública no Rose Garden da Casa Branca, no dia 26 de setembro, em um evento que foi amplamente criticado como sendo um “super-propagador” do romance coronavírus (pelo menos 11 participantes, incluindo o presidente e a primeira-dama, desde então testaram positivo).

O evento Honor Her Wish será transmitido na segunda-feira, a partir das 21h. Os espectadores podem confirmar presença aqui.

“Instruction”, música do DJ Jax Jones com participação de Demi Lovato e a rapper Stefflon Don foi oficialmente certificada com disco de ouro no Canadá, por ultrapassar a marca de 40,000 cópias vendidas no país.

Lançada como single em julho de 2017, a parceria teve como principal foco o mercado britânico e não recebeu investimento ou divulgação fora de lá, incluindo nos Estados Unidos e no próprio Canadá.

Relembre: