Demi Lovato discutirá os eventos que levaram à sua overdose quase fatal em 2018, suas consequências e muito mais em sua nova docu-series no Youtube, intitulada “Dancing with the Devil”. Os dois primeiros episódios estrearão gratuitamente no dia 23 de março, enquanto os episódios restantes serão lançados semanalmente em cada uma das duas terças-feiras seguintes.

Dirigido por Michael D. Ratner, Dancing with the Devil retratará os três últimos anos da vida e carreira de Lovato. A produção do documentário começou em 2018, durante a turnê mundial “Tell Me You Love Me Tour”, e o comunicado a imprensa promete “um olhar honesto para alguns dos momentos mais difíceis da vida de Lovato, enquanto ela desenterra seus traumas anteriores e descobre a importância de sua saude física, emocional e mental”.

“Já se passaram dois anos desde que fiquei cara a cara com o ponto mais sombrio da minha vida e agora estou pronto para compartilhar minha história com o mundo”, disse Lovato em um comunicado. “Pela primeira vez, você poderá ver minha crônica de luta e cura contínua do meu ponto de vista. Sou grato por ter feito essa jornada para enfrentar meu passado de frente e, finalmente, compartilhá-lo com o mundo”.

Ratner acrescentou: “A vontade de Demi de explorar os elementos mais sombrios de sua vida vai deixar o público com uma compreensão completa de tudo o que ela passou e, finalmente, para onde está indo. Demi representa empoderamento, e este documentário vai responder a muitas perguntas que surgiram – fornecendo uma janela real para a vida de uma das maiores estrelas do mundo, que é simplesmente um ser humano”.

Dancing With the Devil marca o segundo documentário de Lovato com o YouTube, após Simply Complicated de 2017. O último álbum de Lovato, Tell Me You Love Me, chegou também em 2017, enquanto em 2020 ela lançou sua primeira música solo desde “Sober” de 2018, no qual ela lutou contra uma recaída após vários anos de sobriedade (Lovato foi hospitalizada após uma overdose de mês após o lançamento da música). Lovato voltou em janeiro de 2020 com “Anyone” e lançou um punhado de outras canções ao longo do ano, incluindo “I Love Me”, “OK Not to Be OK” e a canção de protesto de Trump, “Commander In Chief”.